Redirecionamento

javascript:void(0)

quarta-feira, 28 de março de 2012

Microcrédito cresce dez vezes em sete anos

Em 2011, foram concedidos R$ 3,7 bilhões

O volume de empréstimos concedidos por meio do Programa Nacional de Microcrédito Produtivo Orientado (PNMPO) ficou dez vezes maior entre 2005 e 2011, passando de R$ 389,3 milhões para R$ 3,7 bilhões. A execução do programa foi acelerada entre 2010 e 2011, quando houve um aumento de 37% (veja gráfico).

O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) credita o aumento observado no ano passado a dois fatores. Primeiro, houve uma melhoria nos serviços na ponta, por meio do Projeto de Desenvolvimento Institucional (PDI) – do qual as instituições de microcrédito produtivo orientado aprimoraram suas estruturas e passaram a aplicar de forma mais eficiente a metodologia que associa a concessão de empréstimos à prestação de assistência técnica aos microempreendedores.

Crescer - Em segundo lugar, o setor ganhou um incentivo no último trimestre promovido pelo Plano Crescer, lançado em agosto, que reduziu, inicialmente para os Bancos Oficiais, os juros de 60% ao ano para 8% ao ano. A Taxa de Abertura de Crédito (TAC) também sofreu redução, passando de 3% para 1% sobre o valor do crédito. Os empréstimos podem ser de até R$ 15 mil. A meta estipulada pelo governo é atender a um público de 3,4 milhões de clientes, formado por empreendedores informais (pessoas físicas), empreendedores individuais (EI) e microempresas com faturamento anual de até R$ 120 mil. O empréstimo é direcionado ao investimento em atividades produtivas.

O governo equaliza em até R$ 500 milhões por ano para garantir a redução dos juros e a orientação para a aplicação adequada do crédito obtido. Os recursos da equalização serão administrados pelo Tesouro Nacional com base no número, valor e prazo das operações contratadas pelas instituições que solicitaram a equalização junto ao Ministério da Fazenda.

O fundo destinado ao microcrédito é formado por 2% sobre os depósitos à vista que os bancos depositam no Banco Central e pelo Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

Fonte: SECOM.GOV

Nenhum comentário:

Postar um comentário