Redirecionamento

javascript:void(0)

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Nova descoberta de petróleo na Amazônia


A Petrobras comunica que os primeiros dados do Teste de Longa Duração (TLD), iniciado em setembro, no poço exploratório 1-ICB-1-AM (Igarapé Chibata nº 1), confirmam a descoberta de uma nova acumulação de óleo leve (46º API) e gás natural no Município de Tefé (AM), distante 630 km de Manaus e 32 km da Província Petrolífera de Urucu. A Companhia já detém três campos produzindo petróleo e gás natural no Município de Coari.

O poço de 3.485 metros foi perfurado na Bacia do Solimões, Bloco SOL-T-171, onde a Petrobras detém 100% de participação dos direitos de exploração e produção. Os dados do TLD, até o momento, indicam que o poço tem a capacidade de produzir 2500 barris de óleo por dia, o que é considerado um excelente resultado, em se tratando deste tipo de bacia no Brasil.

Além da realização do TLD, com duração prevista de um ano, o Plano de Avaliação da Descoberta (PAD), aprovado pela Agência Nacional do Petróleo (ANP) prevê a aquisição de novos dados sísmicos e perfurações de poços delimitatórios. Estes trabalhos visam definir a extensão da acumulação, quantificar as reservas e comprovar a economicidade da acumulação.

 
Esse sucesso exploratório resulta da retomada dos investimentos exploratórios, efetuados a partir de 2005, nas bacias terrestres da Amazônia, conforme prevê o Plano Estratégico da Companhia, que direciona esforços em novas fronteiras onde o conhecimento, as tecnologias e a experiência operacional da Petrobras representem diferencial competitivo.

Um comentário:

  1. PETRÓLEO DESCOBERTO NA AMAZÔNIA FOI
    ANUNCIADO PELA PRIMEIRA VEZ NOS ANOS 50
    “O ministro Juarez Távora - através de uma longa exposição radiofônica - compara o potêncial de produção da bacia amazônica à Venezuela e previa, para o final da década de 1950, que metade do petróleo consumido no Brasil seria proveniente da região.” Leia em: http://politicaeconomicadopetroleo.blogspot.com/2008/02/hitoria-do-petroleo-no-brasil.html

    ResponderExcluir